SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Social

‘Crescer’ atua no desenvolvimento de crianças e adolescentes

Fundada em agosto de 2000, pela socióloga Wania Howard, a ONG sobrevive através de doações de pessoas físicas e jurídicas

Publicado

em

Há mais de 20 anos, a 'Crescer', organização sem fins lucrativos, atua no município de Lauro de Freitas (BA), mais precisamente na comunidade
Foto: Divulgação

Há mais de 20 anos, a ‘Crescer’, organização sem fins lucrativos, atua no município de Lauro de Freitas (BA), mais precisamente na comunidade da Lagoa dos Patos, com um objetivo crucial para a vida de centenas de crianças e adolescentes em situação de risco social e econômico: poder educar e amenizar, através de atividades complementares à educação escolar, a vulnerabilidade social dos mesmos.

Fundada em agosto de 2000, pela socióloga Wania Howard, a ONG sobrevive através de doações de pessoas físicas e jurídicas, e desde sua fundação, já atendeu mais de 1.300 crianças e adolescente. A ‘Crescer’ se fundamenta na teoria de Paulo Freire, em que a pedagogia se dá na autonomia do educando.

“Aqui, crianças e adolescentes são separados por grau de autonomia e maturidade e aprendem sobre resiliência, na prática, através do resgate de valores humanos como otimismo, persistência, solidariedade, empatia e respeito, possibilitando o desenvolvimento de suas competências e habilidades, tanto socioemocionais quanto cognitivas”, afirmou a Coordenadora do Núcleo Pedagógico do Crescer, Joseane Romão.

Atividades

A ‘Crescer’ oferece atividades de Oficinas de música (violino, viola, pandeiro e canto coral); Esportes (Judô, Capoeira e Futsal); Teatro e Dança; Artes Visuais; Informática; Reforço escolar; GDP – Grupo de Desenvolvimento Pessoal (rodas de conversas sobre sexualidade, direitos da criança e do adolescente, diversidade cultural e étnica, drogas, entre outros).

Pandemia

Com a pandemia, as atividades da organização passaram a ser remotas, e algumas suspensas. As 100 crianças e adolescentes, de 7 a 17 anos, foram divididas em grupos menores e passaram a ter atendimentos em dias alternados com atividades presenciais. Além disso, a ‘Crescer’ também contempla as necessidades das famílias dos educandos assistidos com doação de cestas básicas. Com o retorno presencial, a ONG voltará a disponibilizar duas refeições diárias, uniformes e material necessário para todas as atividades.

Sitewww.projetocrescer-ba.org.br
Endereço: Rua Marília Tereza dos Santos, 328 – Ipitanga – Lauro de Freitas, BA – CEP: 42706-350
Telefones: (71) 4113-3099 / (71) 98138 -0580 / (71) 98221-9893 / (71) 98160-5490
Emails: raimunda_araujo@crescer-ba.org.br – Coordenadora do Núcleo de Captação de Recursos/denyse_barreto@crescer-ba.org.br– Diretora Executiva
Instagram: @associacaoprojetocrescer/ Facebook: @assprojetocrescer

Social

Pescadores de Bom Jesus da Lapa recebem DAP

Os interessados podem solicitar a Declaração de Aptidão de 8h às 12 e das 13h às 17h30

Publicado

em

A Bahia Pesca vai cadastrar, de 4 a 10 de novembro, pescadores e marisqueiras de Bom Jesus da Lapa para obterem a Declaração de Aptidão
Foto: Ascom/Bahia Pesca

A Bahia Pesca vai cadastrar, de 4 a 10 de novembro, pescadores e marisqueiras de Bom Jesus da Lapa para obterem a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) e terem acesso ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). 

Nos dias 4, 5 e 6 a ação será realizada no quilombo Lagoa das PiranhasJá nos dias 8, 9 e 10 o cadastramento acontece na colônia Z-32Os interessados podem solicitar a DAP de 8h às 12 e das 13h às 17h30.  

A Bahia Pesca informa que para ter acesso ao documento, os pescadores e marisqueiras devem apresentar cópias de RG e CPF (inclusive dos cônjuges, se houver), comprovante de residência, Registro Geral de Pesca, NIT ou PIS, certidão de casamento e, no caso de viúvos, certidão de óbito do parceiro. É preciso também informar a renda dos membros da família.  

“Com a DAP o pescador é reconhecido como produtor rural e pode acessar diversos programas dos governos estadual e federal para desenvolvimento da pesca e aquicultura, a exemplo de financiamentos com baixa taxa de juros”, afirma coordenadora de promoção social da Bahia Pesca, Eliana Carla Ramos.  

Continue Lendo

Social

8º GBM reforça alimentação de famílias carentes em Jequié

Toda a ação foi realizada respeitando as medidas de combate à disseminação do novo coronavírus

Publicado

em

carentes do município de Jequié, no Sudoeste baiano, após serem distribuídos por equipes do 8º Grupamento de Bombeiros Militar (8º GBM/Jequié).
Fotos: Divulgação/SSP

Duzentas porções de sopa e 400 pães reforçaram a alimentação de famílias carentes do município de Jequié, no Sudoeste baiano, após serem distribuídos por equipes do 8º Grupamento de Bombeiros Militar (8º GBM/Jequié). Ação aconteceu no final da tarde de quarta-feira (20), durante mais uma edição da campanha ‘Sopa Solidária’.

Segundo o comandante da unidade, tenente-coronel Bruno André Faneli, a entrega de alimentos acontece quinzenalmente, em bairros carentes monitorados pelo 8º GBM.

“Nossa equipe se empenha, voluntariamente, desde o meio do ano, para que essas pessoas não passem fome. Com a ajuda de comerciantes e feirantes que doam verduras, conseguimos preparar o alimento”, contou o oficial.

Moradores dos bairros KM 3 e 4 e do Jequiezinho foram contemplados com os copos de sopa. Toda a ação foi realizada respeitando as medidas de combate à disseminação do novo coronavírus.

Continue Lendo

Social

Ligadas por Fios arrecada mechas de cabelo

O projeto transforma as doações em perucas e distribui a mulheres que perderam os fios naturais por conta do tratamento contra o câncer

Publicado

em

da Segurança Pública (SSP), por meio da Superintendência de Prevenção à Violência, lançou a edição 2021 do Projeto Ligadas por Fios
Foto: Carol Garcia/GOVBA

A Secretaria da Segurança Pública (SSP), por meio da Superintendência de Prevenção à Violência, lançou a edição 2021 do Projeto Ligadas por Fios nesta sexta-feira (1º), no auditório do órgão, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador.

O objetivo é arrecadar mechas de cabelo que serão transformadas em perucas e distribuídas a mulheres que perderam os fios naturais por conta do tratamento contra o câncer. Lenços, bonés, chapéus e outros acessórios também podem ser doados em pontos de arrecadação, espalhados por Salvador e no interior do estado, até o dia 29 de outubro. O perfil @ligadasporfios no Instagram é o canal oficial para mais informações.

“As pessoas podem fazer essa doação, essa entrega de amor em mechas, a partir das lojas da Lusa Cosméticos em shoppings e nos nossos quartéis e Bases Comunitárias de Segurança [BCS]. Estarão abertos os quartéis do Corpo de Bombeiros Militar e da Polícia Militar, assim como os espaços das delegacias”, explicou a superintendente de Prevenção à Violência, major Denice Santiago.

As interessadas em receber as perucas devem entrar no site do Instituto Amor em Mechas (amoremmechas.com) e se inscrever. Pacientes do Hospital da Mulher (HM), em Salvador, também serão encaminhadas para a ação, como é o caso da operadora de caixa Eliene Almeida. Em tratamento de câncer de mama desde o início do ano no HM, ela perdeu todo o cabelo por conta da quimioterapia e recebeu, durante o lançamento da ação, um kit com uma peruca e acessórios. “Com certeza, esse ato ajuda muito, principalmente na autoestima da mulher”, afirmou Eliene.

Além do HM, o projeto tem o apoio de patrocinadores, parceiros e madrinhas que vão ajudar a promover a iniciativa, arrecadar e receber doações. Palestras também fazem parte da programação.

Participam da ação ainda as secretarias da Saúde (Sesab) e de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e o Planserv. “Neste ano, a gente vai continuar com o chamamento para o autocuidado, com atividades e levando a urna para captar mechas de cabelo e apoiar as pessoas. Nada mais inteligente do que absorver, viver essa campanha e ajudar a multiplicar essa ideia”, destacou a coordenadora geral do Planserv, Socorro Brito.

Orientações

As mechas para doação precisam ter ao menos 15 centímetros. Os fios devem estar limpos e secos, presos com um elástico e armazenados em um saquinho para serem depositados nas urnas do projeto e não embaraçarem. Não precisa doar todo o cabelo.

“É uma sensação muito gratificante, porque você tem consciência que está contribuindo para autoestima e esperança de mulheres que estão passando por um momento muito complicado. Não é um corte de cabelo. São algumas mechas e você fala a quantidade que quer doar, contribuindo com essa campanha muito necessária”, declarou a jornalista Silvania Nascimento, que fez a doação em 2019, primeiro ano do Ligadas por Fios, quando foram arrecadados 154 quilos de cabelo, resultando na confecção de dezenas de perucas.

Continue Lendo

Mais Lidas