SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Cinema

Morre Vangelis, compositor de Carruagens de Fogo, aos 79 anos

Vangelis, nome artístico de Evángelos Odysséas Papathanassíu, também compôs a música de obras como Blade Runner

Publicado

em

O compositor grego Vangelis morreu aos 79 anos na terça-feira (17), segundo a agência de notícias grega ANA. A causa da morte não foi divulgada.
Foto: Reprodução/Youtube

O compositor grego Vangelis morreu aos 79 anos na terça-feira (17), segundo a agência de notícias grega ANA. A causa da morte não foi divulgada.

A informação foi confirmada à agência de notícias pelos advogados do compositor. O primeiro-ministro grego lamentou a morte de Vangelis nas redes sociais:

“Vangelis Papathanassiou não está mais conosco. O mundo da música perdeu o artista internacional Vangelis”, escreveu o primeiro-ministro Kyriákos Mitsotákis.

O músico grego foi responsável por trilhas sonoras de longa-metragens como Carruagens de Fogo, pelo qual ganhou o Oscar em 1981. Vangelis, nome artístico de Evángelos Odysséas Papathanassíu, também compôs a música de obras como Blade Runner e 1492, ambas dirigidas pelo britânico Ridley Scott.

Vangelis começou a carreira em bandas de rock progressivo como Forminx e Aphrodite’s Child, antes de se dedicar às trilhas sonoras.

Continue Lendo
ANÚNCIO
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cinema

Atriz de ‘Doutor Estranho’ e marido são presos por abuso sexual infantil

Ela é acusada de abusar sexualmente de uma vítima durante os anos de 2003 e 2005

Publicado

em

Após serem condenados na semana passada por abusos sexuais contra crianças, a atriz britânica Zara Phythian e o marido, o instrutor de artes marciais Victor Marke, foram presos nesta segunda-feira (16) após a divulgação da sentença pela corte de Nottingham Crown, na Inglaterra. Phythian foi condenada a oito anos de prisão e o marido, 14.
Foto: Reprodução

Após serem condenados na semana passada por abusos sexuais contra crianças, a atriz britânica Zara Phythian e o marido, o instrutor de artes marciais Victor Marke, foram presos nesta segunda-feira (16) após a divulgação da sentença pela corte de Nottingham Crown, na Inglaterra. Phythian foi condenada a oito anos de prisão e o marido, 14.

A atriz britânica participou do filme “Doutor Estranho”, estrelado por Benedict Cumberbatch, em 2016. Ela é acusada de abusar sexualmente de uma vítima durante os anos de 2003 e 2005, quando a adolescente tinha entre 13 e 15 anos. O marido também cometeu crimes sexuais contra essa mesma pessoa, além de abusar sozinho de outra menor de idade. Phythian e Victor Marke foram considerados culpados por 14 e 18 crimes sexuais, respectivamente.

Uma das vítimas informou à Justiça que o casal roubou sua “inocência” e “corrompeu” seu desenvolvimento. Hoje adulta, ela conta que sabia que a situação era errada, mas não conseguia se libertar do contexto de abusos.

“Eu sabia que era errado, mas não sabia como sair da situação, nem dizer nada. Eu apenas fiz o que eles me pediram para fazer. Eles fizeram parecer que eu era uma garota travessa e eles estavam me ajudando. Senti que não havia saída. Disseram-me para não falar nada”, revelou a vítima em comunicado, acrescentando que planejava “morrer com minha vergonha”, guardando segredo sobre o caso, mas mudou de ideia quando se tornou mãe recentemente.

O casal se conheceu quando Marke se tornou o instrutor de artes marciais de Phythian. Logo depois, ela passou a ter uma carreira de sucesso nas lutas, como dublê e atriz.

Durante depoimento, Marke admitiu atividade sexual com uma das jovens, mas alegou que ela tinha 18 anos na época. Ele defendeu que o crime aconteceu em apenas uma ocasião e disse que Phythian não estava envolvida. A atriz negou qualquer tipo de atividade sexual com a menor.

Continue Lendo

Cinema

Festival internacional de cinema destaca cultura e história do Recôncavo

O evento é promovido pela Fundação Hansen Bahia (FHB) e conta com apoio e patrocínio do Governo do Estado

Publicado

em

Até o próximo domingo (24), a cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, recebe a primeira edição do Festival Internacional de Cinema:
Fotos: Fernando Vivas/GOVBA

Até o próximo domingo (24), a cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, recebe a primeira edição do Festival Internacional de Cinema: Finisterra Film Art & Tourism Brasil Afrobarroco. O evento é promovido pela Fundação Hansen Bahia (FHB), em parceria com a Santa Casa de Misericórdia de Cachoeira e conta com apoio e patrocínio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo (Setur), e da Bahiagás.

Cenário de grandes produções cinematográficas e audiovisuais, a Cidade Monumento Nacional se destaca pela preservação histórica e cultural sendo por isso escolhida como sede do evento. O objetivo é inserir de forma mais efetiva estes outros destinos baianos no roteiro internacional para produções cinematográficas e audiovisuais, além de fomentar o fortalecimento da economia, da cultura e o desenvolvimento do turismo no estado. “Em Hollywood é necessário figurar com cenários, já aqui em Cachoeira temos locações que dispensam cenografia, o que financeiramente é mais vantajoso para a produção. O Festival Finisterra traz como diferencial a composição técnica e artística para mostrar esse potencial para a cultura e turismo local. O ator ou a atriz aqui não é o mais importante, e sim, principalmente a beleza natural. E é isto que atrai as pessoas”, destacou o coordenador executivo do festival, o cineasta português e diretor da Arrábida Film Comission, Carlos Sargedas.

Bahia Filme Locação

Para a secretária de Cultura do Estado, Arany Santana, é muito importante que esse festival aconteça justamente, no Recôncavo Baiano. “A Bahia é muito rica na sua cultura, e o turismo não pode somente se restringir à contemplação da paisagem, turismo também é cultura”, afirma a secretária, que anuncia ainda o projeto da Secult ‘Bahia Filme Locação’, lançado em março deste ano.

“Cachoeira é um celeiro cultural, e tem naturalmente uma vocação turística, pela posição geográfica, pelas belezas naturais que a cercam, por ser uma cidade geminada com São Félix. Então, por todos esses motivos a comissão executiva Arrábida Film Comission, que já realiza o evento em Portugal, na cidade de Sesimbra, pactuou realizar aqui conosco esse ano”, contou a diretora da FHB, Vanessa Dantas.

Até o próximo domingo (24), a cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, recebe a primeira edição do Festival Internacional de Cinema:

Realizado há dez anos na Europa, o Finisterra também promove o intercâmbio cultural entre a Bahia, o Brasil e o mundo. Representantes dos setores de Cultura e Turismo de municípios como São Félix, Itaparica, Cairu, Cruz das Almas, Santo Antônio de Jesus, Muritiba, Valença e Saubara marcam presença no evento, que ainda reúne diversos profissionais especializados nos segmentos de cinema e turismo de países como Grécia, Estados Unidos e Portugal, além de estudantes e amantes da sétima arte.

O assessor especial da Setur, Fernando Ferrero, falou da importância do Finisterra no momento de retomada das atividades do setor turístico e cultural, após o período de restrições em decorrência da pandemia. “Quanto mais eventos deste nível forem realizados, para que se reconheça a relevância histórica de Cachoeira, melhor para o fortalecimento da cultura e do turismo locais”. Ferrero destacou ainda, a visibilidade que o Festival Finisterra possibilita ao setor audiovisual do Recôncavo no panorama internacional.

A coordenadora Institucional da Bahiagás, Nívia Cohen celebra a realização do evento. “É uma honra estar aqui trazendo o nosso patrocínio a esse projeto tão importante pra Bahia, considerando a diversidade do interior do estado, possibilitando a expansão desse movimento cultural. Cachoeira é um polo cultural e que merece esse presente”.

Festival Finisterra

A programação do festival tem caráter multicultural e reúne mostra de filmes, conferências e palestras, salões de exposição de arte e literatura, feiras de artesanato e de produtos da Agricultura Familiar, lançamentos de livros, workshops de cinema e educação, além do Cortejo Afrobarroco, possibilitando aos participantes vivenciar manifestações artísticas, folclóricas, religiosas e culturais do Recôncavo da Bahia.

As atividades começaram na terça-feira (19), com homenagens na Câmara de Vereadores de Cachoeira à data de aniversário do artista Hansen Bahia, que completaria 107 anos, e aos 46 anos da FHB. A primeira sessão de exibição dos filmes concorrentes aconteceu na quarta-feira (20), no Cine Theatro Cachoeirano, que também recebeu a abertura oficial do evento.

Destaque ainda para a Exposição Memorial Audiovisual Museu Roque Araújo, instalada na Estação Ferroviária Cultural de Cachoeira, que fica aberta à visitação durante o festival. Também homenageado na programação, o produtor e cineasta contemporâneo de Glauber Rocha tem mais de 60 anos de cinema e é um dos nomes mais importantes da história da sétima arte na Bahia.

Produções do Recôncavo concorrem à premiação

Cerca de 170 filmes de 33 países foram inscritos na mostra. Entre eles, trabalhos de realizadores locais representam a Bahia e o Recôncavo com produções de São Félix, Itaparica, Cairu, Cruz das Almas, Santo Antônio de Jesus, Muritiba e Saubara. Um júri internacional vai premiar 30 deles, em 19 categorias. Os troféus da premiação foram produzidos pelo artista Billy Oliveira, residente há mais de 30 anos em Cachoeira, reafirmando a valorização da arte produzida na região.

Até o próximo domingo (24), a cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, recebe a primeira edição do Festival Internacional de Cinema:

Estudante do curso de Cinema, na Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), Vinícius de Queiroz fala da experiência no Finisterra. “Estou achando muito interessante os filmes que estão sendo apresentados. São bonitos visualmente e na questão da estética. É muito bom porque são filmes de outras regiões que a gente não tem um acesso tão cotidiano, como produções da Croácia, da Suécia, de Israel. É importante também como o Finisterra consegue conectar a comunidade local ao evento”.

Continue Lendo

Cinema

Oscar exigirá testes e comprovantes de vacinação

A cerimônia de premiação do Oscar está marcada para 27 de março, no tradicional Dolby Theatre em Hollywood, na Califórnia

Publicado

em

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood exigirá comprovantes de vacinação contra Covid-19 e pelo menos dois resultados negativos de testes PCR dos convidados da 94ª cerimônia do Oscar.
Foto: Valerie Macon/AFP

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood exigirá comprovantes de vacinação contra Covid-19 e pelo menos dois resultados negativos de testes PCR dos convidados da 94ª cerimônia do Oscar. A cerimônia de premiação está marcada para 27 de março, no tradicional Dolby Theatre em Hollywood, na Califórnia.

Segundo a revista Variety, os artistas que irão se apresentar na cerimônia e apresentadores da maior premiação da indústria cinematográfica também terão que passar por testes PCR, mas não precisarão mostrar comprovantes.

Os indicados ao Oscar e seus convidados nas seções inferiores do teatro não serão obrigados a usar máscaras. Eles estarão sentados com mais distância do que o habitual entre os grupos. O Dolby acomoda 3.317 pessoas, mas somente 2.500 serão convidadas.

A Academia justificou a separação dizendo que segue os protocolos estabelecidos pela Aliança de Produtores e Sindicatos de Cinema, que obriga apenas profissionais em contato direto com artistas e elenco, no caso indicados e convidados do Oscar, a seguirem as exigências.

Aqueles sentados no mezanino podem ser obrigados a usar máscaras, pois ficarão sentados ombro a ombro. Os casos de Covid-19 estão diminuindo no condado de Los Angeles e os organizadores estão consultando autoridades do governo e especialistas em doenças infecciosas.

Continue Lendo

Mais Lidas