SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Política

Presidente da Anvisa cobra retratação de Bolsonaro

Antonio Barra Torres divulgou uma nota em que rebate uma declaração do presidente da República

Publicado

em

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, divulgou uma nota neste sábado (8) em
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, divulgou uma nota neste sábado (8) em que rebate uma declaração do presidente Jair Bolsonaro, que, sem apresentar qualquer prova, questionou um suposto interesse da agência relacionado à aprovação da imunização infantil contra Covid-19.

O presidente deu uma entrevista à TV Nova Nordeste nesta quinta-feira (6) e questionou os interesses da Anvisa em aprovar a vacinação de crianças contra a Covid-19. “Você vai vacinar o teu filho contra algo que o jovem por si só, uma vez pegando o vírus, a possibilidade dele morrer é quase zero? O que que está por trás disso? Qual o interesse das pessoas taradas por vacina?”, declarou Bolsonaro na entrevista.

Na nota, Barra Torres disse que, caso o presidente tenha informações que “levantem o menor indício de corrupção” contra ele, que “não perca tempo nem prevarique” e que “determine imediata investigação policial”.

“Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, Senhor Presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar”, disse Barra Torres.

O diretor-presidente da Anvisa também pediu que, caso não tenha indícios, Bolsonaro se retrate da acusação feita contra a agência.

“Agora, se o Senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate. Estamos combatendo o mesmo inimigo e ainda há muita guerra pela frente”, disse Barra Torres.

Íntegra da nota

Nota – Gabinete do Diretor Presidente da Anvisa, Sr. Antonio Barra Torres

Em relação ao recente questionamento do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, quanto à vacinação de crianças de 05 a 11 anos, no qual pergunta “Qual o interesse da Anvisa por trás disso aí?”, o Diretor Presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, responde:

Senhor Presidente, como Oficial General da Marinha do Brasil, servi ao meu país por 32 anos. Pautei minha vida pessoal em austeridade e honra. Honra à minha família que, com dificuldades de todo o tipo, permitiram que eu tivesse acesso à melhor educação possível, para o único filho de uma auxiliar de enfermagem e um ferroviário.

Como médico, Senhor Presidente, procurei manter a razão à frente do sentimento. Mas sofri a cada perda, lamentei cada fracasso, e fiz questão de ser eu mesmo, o portador das piores notícias, quando a morte tomou de mim um paciente.

Como cristão, Senhor Presidente, busquei cumprir os mandamentos, mesmo tendo eu abraçado a carreira das armas. Nunca levantei falso testemunho.

Vou morrer sem conhecer riqueza Senhor Presidente. Mas vou morrer digno. Nunca me apropriei do que não fosse meu e nem pretendo fazer isso, à frente da Anvisa. Prezo muito os valores morais que meus pais praticaram e que pelo exemplo deles eu pude somar ao meu caráter.

Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, Senhor Presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar.

Agora, se o Senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate.

Estamos combatendo o mesmo inimigo e ainda há muita guerra pela frente.

Rever uma fala ou um ato errado não diminuirá o senhor em nada. Muito pelo contrário.

Antonio Barra Torres
Diretor Presidente – Anvisa
Contra-Almirante RM1 Médico
Marinha do Brasil

Política

Funcionários públicos protestam na frente do Banco Central

O ato começou às 10h e trabalhadores pediam reajuste salarial

Publicado

em

Cerca de 250 funcionários públicos federais realizaram nesta terça-feira (18) uma manifestação na frente do Banco Central (BC),
Foto: Sérgio Lima/Poder360

Cerca de 250 funcionários públicos federais realizaram nesta terça-feira (18) uma manifestação na frente do Banco Central (BC), em Brasília (DF). O ato começou às 10h e protestava contra a falta de reajuste salarial

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fábio Faiad, a 1ª manifestação de 2022 foi um “sucesso”. Ainda conforme ele, a plataforma virtual para acompanhar o ato tinha 500 pessoas.  “A adesão foi maior do que a gente esperava, felizmente”, afirmou.

Faiad disse ainda que os funcionários do BC estão há 3 anos sem receber reajuste, enquanto outras categorias esperam mais de 5 anos pela correção salarial. “Se não tem diálogo, tem paralisação e manifestação. A regra é clara”, disse. “A partir dessa 2ª quinzena de janeiro, não havendo nada ou proposta concreta, vamos recrudescer a manifestação a partir de fevereiro”, completou….

Os manifestantes carregavam as seguintes bandeiras:  Sinpro-DF (Sindicato dos Professores do Distrito Federal); Sindjus (Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União); Unacon Sindical (Sindicato Nacional de Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle); Anesp (Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental); Sindiserf (Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos Federais); AACE (Associação dos Analistas de Comércio Exterior); Fenajufe (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministerio Público; CUT (Central Única dos Trabalhadores); Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e Tribunal de Contas da União); Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado); SintBacen (Sinducato Nacional dos Técnicos do Banco Central).

A manifestação foca em críticas ao ministro Paulo Guedes (Economia), ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e à reforma administrativa.

Continue Lendo

Política

Moraes dá prazo para Bolsonaro depor sobre vazamento de dados

Bolsonaro foi intimado a depoimento presencial, que deve ser uma das últimas etapas da investigação

Publicado

em

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) deu um prazo de até 28 de janeiro para que a Polícia Federal (PF) tome o depoimento do presidente Jair Bolsonaro sobre o vazamento de documentos sigilosos.
Foto: Marcos Corrêa/PR

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) deu um prazo de até 28 de janeiro para que a Polícia Federal (PF) tome o depoimento do presidente Jair Bolsonaro sobre o vazamento de documentos sigilosos. As informações são da Folha de S. Paulo

Moraes é relator de um inquérito que apura a divulgação de informações sigilosas de uma investigação sobre um ataque ao sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

Em agosto do ano passado, Bolsonaro divulgou em redes sociais o link com a íntegra de um inquérito sigiloso da PF que apura um ataque ao sistema interno do TSE, em 2018. Segundo o inquérito, um hacker teve acesso ao código-fonte das urnas, mas sem nenhuma consequência, porque isso não possibilita nenhuma alteração da votação.

O inquérito cujo conteúdo foi divulgado pelo presidente ainda não foi concluído pela PF. Por lei, o servidor público tem obrigação de proteger informações sigilosas.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apresentou em agosto, uma notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por vazamento de inquérito sigiloso. Na prática, a notícia-crime é um pedido de investigação no qual há o relato de uma suposta conduta criminosa.

Bolsonaro foi intimado a prestar depoimento presencial. Essa deve ser uma das últimas etapas da investigação. A PF já ouviu o deputado Filipe Barros (PSL-PR), que teve acesso ao material e participou da live com Bolsonaro. Também já foi ouvido o delegado que cuidava da apuração sobre o ataque ao TSE.

Continue Lendo

Política

Senado deve pautar projeto para conter alta dos combustíveis

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, anunciou nesta segunda (17) que submeterá ao colégio de líderes o PL 1.472/2021

Publicado

em

O Senado deve discutir a partir de fevereiro uma solução para conter a disparada nos preços dos combustíveis. O presidente do Senado, Rodrigo
Foto: Pixabay

O Senado deve discutir a partir de fevereiro uma solução para conter a disparada nos preços dos combustíveis. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, anunciou nesta segunda-feira (17) que submeterá ao colégio de líderes o PL 1.472/2021, que cria um programa de estabilização do preço do petróleo e derivados no Brasil. Se houver concordância dos líderes, o projeto entrará na pauta do Plenário.

– Submeterei à avaliação do Colégio de Líderes no início de fevereiro. A intenção é pautar. O senador Jean Paul Prates será o relator e está se dedicando muito ao tema – informou Pacheco.

Aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em dezembro de 2021, o  PL 1.472/2021, do senador Rogerio Carvalho (PT-SE), contém medidas para amortecer os impactos dos aumentos do preço do barril de petróleo e conter a alta nos preços dos combustíveis. O projeto foi aprovado na forma de um substitutivo (texto alternativo) do senador Jean Paul Prates (PT-RN).

O texto, segundo Jean Paul, é baseado em três pilares: além de criar um programa de estabilização, com a finalidade de reduzir a volatilidade dos preços de derivados de petróleo, cria uma nova política de preços internos de venda a distribuidores e empresas comercializadoras de derivados do petróleo produzidos no Brasil.

Além disso, apresenta um conjunto de possíveis fontes de recursos para evitar reajustes recorrentes na bomba de combustível e na venda de gás aos consumidores. Entre essas fontes, está um imposto de exportação sobre o petróleo bruto, principal tema de divergência entre senadores. Pela proposta, a receita advinda dessa cobrança será usada para subsidiar a estabilização dos preços quando os valores do produto subirem.

Reajustes

Os preços dos combustíveis sofreram sucessivos reajustes em 2021, que resultaram em uma elevação nos postos de cerca de 44%. Na semana passada, a Petrobras subiu os valores da gasolina (4,85%) e do diesel (8,08%) para as distribuidoras, o que gerou preocupação nos senadores. A alta nos preços dos combustíveis tem impactado o índice de inflação, que foi superior a 10% em 2021.

No substitutivo aprovado pela CAE, são alteradas as alíquotas de incidência do Imposto de Exportação sobre o petróleo bruto. O projeto aprovado estabelece alíquotas mínimas e máximas para o imposto, que vão variar de acordo com o preço do produto e em algumas situações serão zeradas como forma de subsidiar a estabilização.

Pelo substitutivo, a alíquota será de no mínimo 2,5% e no máximo 7,5%, aplicada apenas sobre a parcela do valor do petróleo bruto entre US$ 45 e US$ 85 por barril. A alíquota passa para no mínimo 7,5% e no máximo 12,5% quando aplicada sobre a parcela do valor do petróleo bruto acima de US$ 85 por barril e abaixo ou igual a US$ 100 por barril. Para parcelas superiores a US$ 100 por barril, a alíquota será de no mínimo 12,5% e no máximo 20%.

Segundo o relator, o imposto é apenas uma das ferramentas que o governo terá para garantir que os aumentos do barril no mercado internacional não impactem com tanta frequência o orçamento das famílias e de toda a economia.

Outras fontes de recursos e instrumentos que podem ser utilizados como “colchão” de preços, a critério do governo são: dividendos da Petrobras devidos à União; participações governamentais destinadas à União resultantes do regime de concessão e partilha do petróleo; resultado positivo apurado no balanço do Banco Central de reservas cambiais; e receita de superávit financeiro de fontes de livre aplicação disponíveis no balanço da União.

Mercado internacional

Além do projeto que pode ser colocado em pauta já em fevereiro, também está em análise no Senado o PL 3.450/2021, do senador Jader Barbalho (MDB-PA). Apresentado em outubro, o texto proíbe a vinculação dos preços dos combustíveis derivados de petróleo aos preços das cotações do dólar e do barril de petróleo no mercado internacional.

O senador observa que a moeda americana impacta diretamente no preço do combustível porque, desde 2016, a Petrobras utiliza o valor do barril de petróleo em dólar para fazer reajustes na gasolina nacional. “Ou seja, quando o dólar está alto, o preço do barril de petróleo também sobe, impactando diretamente no preço do combustível brasileiro”, explicou Jader Barbalho.

Fonte: Agência Senado

Continue Lendo

Mais Lidas