SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Internacional

Acusado de assédio, príncipe Andrew perde títulos reais e militares

Uma fonte real disse que Andrew não usaria mais o título ‘Sua Alteza Real’

Publicado

em

O príncipe Andrew, filho da rainha Elizabeth II renunciou aos seus cargos honorários à frente de regimentos militares e associações de caridade.
Foto: Steve Parsons/Pool via Reuters

A rainha removeu uma série de afiliações militares e patrocínios reais detidos pelo príncipe Andrew, disse o Palácio de Buckingham. A medida, que inclui o príncipe perder o uso de “Sua Alteza Real”, ocorre depois que um juiz dos Estados Unidos deu luz verde para que seu segundo filho enfrentasse um processo civil de agressão sexual.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (13), pelo Palácio de Buckingham. “O duque de York continuará sem desempenhar nenhuma função pública e se defenderá neste caso na qualidade de cidadão privado”, manifestou-se o palácio em um breve comunicado.

Uma fonte real disse que Andrew não usaria mais o título ‘Sua Alteza Real’ em qualquer função oficial e suas outras funções seriam distribuídas entre os demais membros da família real. Elas não voltarão para o príncipe Andrew.

A revogação de títulos e cargos honorários ocorre depois que 150 veteranos britânicos assinaram uma carta aberta pedindo que a rainha retirasse seus títulos militares de seu filho.

Um juiz de Nova York recusou, na quarta-feira (12), um recurso apresentado pelos advogados do príncipe para que indeferisse a denúncia de agressões sexuais apresentada contra seu cliente por Virginia Guiffre, uma americana que o acusa de ter abusado sexualmente dela em 2001, quando tinha 17 anos.

Guiffre é uma das vítimas de crimes sexuais do gestor financeiro americano Jeffrey Epstein, declarado culpado de pedofilia por um tribunal da Flórida e que se suicidou na prisão em Nova York, em agosto de 2019, quando aguardava um novo julgamento por tráfico e abuso de menores.

Internacional

Cantora tcheca morre após contrair covid propositalmente

Segundo o filho, a cantora morreu em casa, com falta de ar

Publicado

em

Uma cantora da banda tcheca de música folclórica Asonance, Hana Horka morreu no domingo (16) de complicações causadas pela Covid-19 após decidir se infectar para obter certificado de imunidade, sem ter se vacinado. 
Foto: Reprodução PRIMA News

Uma cantora da banda tcheca de música folclórica Asonance, Hana Horka morreu no domingo (16) de complicações causadas pela Covid-19 após decidir se infectar para obter certificado de imunidade, sem ter se vacinado.

Antivacina, ela teria se deixado contaminar pela doença quando o filho e o marido — ambos vacinados contra o vírus — tiveram resultado positivo. A morte da cantora, que tinha 57 anos, foi divulgada pela família na segunda-feira (17).

Segundo o filho da cantora, Jan Rek, em entrevista à rádio “iRozhlas”, ele e o pai contraíram a doença no final do ano passado. A sua mãe havia tido resultado negativo no teste e decidiu expor-se ao vírus deliberadamente. O objetivo era conseguir se contaminar e, depois de curada, obter o certificado de imunidade usado no país que a permitiria frequentar alguns estabelecimentos sem ter de se vacinar.

“Ela preferiu viver normalmente conosco e pegar a doença para não ter que se vacinar. É triste que ela quis mais acreditar em estranhos do que em sua própria família”, disse Jan Rek durante o programa de rádio.

Segundo o relato de Rek, sua mãe morreu em casa, com falta de ar. Dias antes, ela chegou a fazer publicações nas redes sociais comemorando a infecção: “Estou muito feliz porque, desta forma, poderei ter uma ‘vida livre’ como os outros, ir ao cinema, tirar férias, ir à sauna, ao teatro.”, escreveu.

Continue Lendo

Esporte

Gento, ídolo do Real Madri e maior campeão europeu, morre aos 88 anos

Único jogador da história a vencer seis Copas Europeias e 12 vezes campeão espanhol

Publicado

em

Francisco Gento, lenda do Real Madrid e o único jogador da história a vencer seis Copas Europeias e 12 vezes campeão espanhol, morreu nesta

Francisco Gento, lenda do Real Madrid e o único jogador da história a vencer seis vezes a Liga dos Campeões e 12 vezes campeão espanhol, morreu nesta terça-feira, aos 88 anos.

Gento era atualmente presidente honorário do Real Madrid, cargo que herdou de seu grande amigo e companheiro de equipe Alfredo di Stéfano. Duas lendas que fizeram do Real Madrid uma máquina vencedora na Espanha e na Europa, conquistando cinco Champions League consecutivas, um marco que ninguém conseguiu igualar.

Gento deixou o Real Madrid e o futebol na temporada 1970-71, com 23 títulos oficiais, um recorde que só depois de mais de meio século Marcelo conseguiu igualar com a última conquista da Supercopa da Espanha. Quase duas décadas de futebol a todo vapor pela ala esquerda do Real Madrid, velocidade que lhe valeu o apelido de La Galerna del Cantábrico.

Para quem não o viu jogar, o vídeo abaixo vai fazer você perceber por que ele foi classificado como o melhor lateral esquerdo do mundo. Velocidade, dribles e muitos gols ao serviço da equipe do Real Madrid.

Comunicado Oficial do falecimento

O Real Madrid CF, o seu presidente e o seu Conselho de Administração lamentam profundamente a morte de Francisco Gento, presidente honorário do Real Madrid e uma das maiores lendas do nosso clube e do futebol mundial.

O Real Madrid deseja expressar as suas condolências e o seu amor e carinho à sua esposa Mari Luz, aos seus filhos Francisco e Julio, às suas netas Aitana e Candela e a todos os seus familiares, colegas e entes queridos.

Continue Lendo

Internacional

Detentos dos EUA processam prisão por tratamento com ivermectina

Quatro detentos do Arkansas entraram com uma ação por terem sido submetidos a uma “experimentação médica” contra Covid-19

Publicado

em

Quatro detentos de uma prisão do Arkansas entraram com uma ação contra a instalação e seu médico depois que eles disseram

Quatro detentos de uma prisão do Arkansas entraram com uma ação contra a instalação e seu médico depois que eles disseram que, sem saber, receberam ivermectina para tratar o Covid-19 como uma forma de “experimentação médica”, apesar das autoridades de saúde dos EUA alertarem que o medicamento antiparasitário não deveria ser usado para esse fim.

O capítulo do Arkansas da União Americana pelas Liberdades Civis entrou com a ação em nome dos homens na semana passada contra a prisão do condado de Washington, o xerife do condado de Washington, Tim Helder, e o médico da prisão, Dr. Robert Karas. Em agosto passado, Helder revelou que o medicamento havia sido prescrito para pacientes com Covid-19.

“O processo acusa os réus de administrar ivermectina a indivíduos encarcerados sem consentimento prévio informado quanto à natureza, conteúdo ou potenciais efeitos colaterais da droga”, disse a ACLU em comunicado na semana passada.

Gary Sullivan, diretor jurídico da ACLU do Arkansas, condenou as ações de Helder, dizendo: “Ninguém – incluindo indivíduos encarcerados – deve ser enganado e submetido a experimentos médicos. O xerife Helder tem a responsabilidade de fornecer comida, abrigo e cuidados adequados e seguros aos indivíduos encarcerados”.

“Os queixosos ingeriram doses incrivelmente altas de um medicamento que profissionais médicos confiáveis, a FDA e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), todos concordam que não é um tratamento eficaz contra o Covid-19 e que, se administrado em grandes doses, é perigoso. para humanos”, diz o processo.

O processo alegava que Karas disse aos detentos que os medicamentos prescritos “consistiam em meras ‘vitaminas’, ‘antibióticos’ e/ou ‘esteróides’”. Ele acrescentou: “Se os demandantes tivessem sido informados de que os medicamentos que receberam incluíam o vermífugo ivermectina e informados sobre sua natureza e potenciais efeitos colaterais, eles teriam se recusado a tomá-lo”.

De acordo com o processo, os presos sofriam de efeitos colaterais que incluíam problemas de visão, diarreia, fezes com sangue e cólicas estomacais. Os detentos também estavam sujeitos ao pagamento de honorários por exames médicos que buscavam após experimentarem os efeitos colaterais da droga.

Karas disse que começou a administrar ivermectina na prisão em novembro de 2020. Os quatro presos receberam ivermectina após testar positivo para Covid-19 em agosto, disse o processo.

Em uma carta enviada por seu advogado em setembro passado, Karas disse a um examinador do conselho médico estadual que 254 presos na prisão haviam sido tratados com a droga.

O conselho médico está investigando reclamações contra Karas sobre o uso de ivermectina na prisão e deve discutir as descobertas da investigação em sua reunião de fevereiro.

A ivermectina tem sido apresentada em todo o mundo. Mas em julho passado, um grande estudo que apoiava o medicamento como tratamento para Covid foi retirado por questões éticas.

Continue Lendo

Mais Lidas